INTOXICAÇÃO EMOCIONAL


Postado em 19/10/2017   -   Categoria: PSICOTANDO

Você sabia que não nos intoxicamos apenas com alimentos, álcool e medicações? Existe também a “Intoxicação Emocional”, que, como o próprio nome diz, trata-se de uma sobrecarga de emoções que intoxica, assim com as relações tóxicas e assim como qualquer outra substância em excesso no nosso corpo.

A intoxicação emocional é ocasionada por conflitos pessoais e emocionais que afetam diretamente nosso bem-estar psicológico e físico, propiciando a vulnerabilidade e gerando sintomas como irritabilidade, depressão, instabilidade emocional e fadiga. Ela é considerada uma consequência de não reservarmos um tempo diário para cuidar do nosso interior.

 

Mas, como interpretar a intoxicação emocional?

 

Um indivíduo que vivencia a intoxicação emocional pode se sentir vulnerável e chateado com pequenas coisas, sentir a necessidade de sair correndo e deixar tudo para trás, perder o interesse e ficar indiferente a algo antes desejado, não finalizar um projeto por se sentir entediado com ele, ter a sensação de viver em uma montanha russa constante, ter reações desproporcionais e se desestabilizar nos momentos mais inesperados, ter que fazer um grande esforço para separar as preocupações presentes e passadas, e se manter inseguro o tempo todo. Além disso, ter dificuldade em expor as emoções com clareza e não se sentir confortável com nada e com ninguém, ao mesmo tempo em que sente essa necessidade de ter um ombro amigo.

As causas são diversas, já que somos seres emocionais em nossa totalidade. Se você está passando, ou passou, por momentos de grande carga emocional, há chances de estar intoxicado emocionalmente, mesmo que ainda não tenha percebido. É importante que você preste atenção aos seus comportamentos e reações nas situações difíceis de lidar. Às vezes nos tornamos muitos reativos e nos deixamos levar pelas emoções, não conseguindo enxergar a situação como ela realmente é.

Alguns dos sintomas variam entre falta de motivação, frustração pessoal, insegurança, dificuldade de expressar-se, angústias e aflições sem explicação aparente e incômodos desnecessários. As atividades diárias perdem a graça, torna-se difícil relaxar, distrair a mente, ficar à toa. A cobrança é constante e há uma sensação de carregar um peso o tempo todo.

Seguem abaixo alguns sintomas e comportamentos que caracterizam a intoxicação emocional:

 

1- Percepções alteradas – ao olhar o mundo com as lentes das emoções, não se prenderá a razões e não escutará a você nem aos demais.

 

2- Inseguranças afloradas - as inseguranças controlam sua vida, sua autoestima fica debilitada e você se sente vulnerável diante de qualquer acontecimento. Suas forças fraquejam e suas emoções lhe impedem de ver com clareza o valor que você tem e o que você é capaz de fazer, o que fomenta o desenvolvimento da dependência emocional, a ponto de acreditar que você não pode fazer nada sozinho.

 

3- Estar sempre na defensiva - você se torna mais reativo e se coloca frequentemente na defensiva, como se estivesse em “modo autoproteção”, interpretando as ações e palavras das outras pessoas como agressões. Distorce as palavras, tira suas conclusões conforme seu estado emocional e acaba reagindo com agressividade para se proteger de danos emocionais, que certamente só existem na imaginação.

 

4- Bloqueio emocional impede de avançar - impede de pensar antes de falar e ter uma perspectiva sobre o que acontece. Podemos nos fechar ao mundo ao percebermos que estamos muito frágeis e emotivos, para nos protegermos dos nossos próprios sentimentos. Quando alguém se sente oprimido e sobrecarregado, perde a energia para enfrentar os desafios do dia a dia, o que é uma consequência de ter o cérebro inundado pelas emoções; não conseguimos pensar com clareza e ficamos travados.

 

5- Ser excessivamente crítico, julgar, insultar ou desprezar as outras pessoas – o indivíduo cria uma barreira de intransigência para ele mesmo e se torna crítico, ao extremo, com os outros e consigo mesmo. Pode se tornar agressivo e perigoso, pelo fato de estar sempre na defensiva e lutar com unhas e dentes por uma causa em que acredita. Por causa do bloqueio emocional, não é capaz de avaliar de forma sensata as pessoas a sua volta. Também tem dificuldade de ter empatia, por estar cheio de emoções negativas. Pode se culpar e condenar a si mesmo, projetando seus medos e frustrações nos outros como uma forma de fuga e libertação.

 

6- Intensidade – devido à alteração do estado psíquico, sentimentos como raiva, medo, agressividade e culpa são comuns. Culpa por algo que não correu bem; “tempestade em copo d’água” com pequenos acontecimentos; raiva como um mecanismo de extravasar o turbilhão interior. Com isso, o indivíduo passa a ter dificuldade de relacionamento com aqueles que o cercam e tende a se isolar. Nesta fase, tem dificuldade de expor suas emoções por dificuldade de identificá-las realmente, e, quando as relações sociais não caminham bem, isso se torna ainda mais difícil.

 

7- Autossabotagem – comportamentos prejudiciais a si mesmo, temendo o sucesso, que tem a ver com a incapacidade de tolerar as incertezas. 

 

Mas, diante de tantos fatores, como agir diante da percepção de intoxicação emocional?

 

É provável que, se você estiver intoxicado, sinta que não consegue escutar o que os outros dizem e que sua atenção e memória estejam extremamente seletivas. Isso se agrava em meio a uma discussão, pois você distorce as palavras escutadas e a tirar suas próprias conclusões, de acordo com suas frustrações e problemas. Não é que você não queira agir de forma adequada, mas exige um grande esforço mental ter diferentes perspectivas sobre qualquer questão. A sensação é de não ter forças para enfrentar os desafios cotidianos.

A melhor maneira de superar é tornar-se consciente de que existe algo prejudicial dentro de si que alimenta o medo de atingir seus objetivos. E quem vai impedir ou permitir seu progresso é você mesmo. Por isso, procure enfrentar seus medos.

Assim como a cura para quaisquer outros tipos de intoxicação, o primeiro passo é identificá-la e aceitá-la. Quando alguém sofre uma intoxicação alimentar, por exemplo, deve eliminar do corpo o alimento que causou o desequilíbrio. E o mesmo deve ser feito quanto às emoções. Se o excesso de alguma delas é motivo de insegurança e tendência à depressão, o melhor caminho é aceitar tal situação e optar pelas vias alternativas que são, por exemplo, abrir-se para opiniões, ajudas, aceitar aos poucos pequenas mudanças e retomar a autoconfiança.

A desintoxicação pode levar algum tempo. Assim como quando ingerimos substâncias que geram ressaca, a ressaca emocional se caracteriza pela culpa, raiva, insônia e tristeza. E a identificação de seus comportamentos e emoções demonstra que você já iniciou o processo de recuperação. A partir daí, pare de “ingerir” emoções negativas e comece o processo de limpeza emocional. Os sintomas vão desaparecendo e seus sentidos se reestabelecem.

É importante relaxar e tentar ser mais benevolente com você mesmo, com a vida e com as outras pessoas, se permitindo a novas vivências e aprendendo a lidar melhor com as frustrações. Em alguns casos, pode ser de grande valia buscar auxílio psicológico com um profissional especializado.

 

Psicóloga Ane A. Santa Cecília

 

(Referências: Júlia Zayas. Eu sem Fronteiras, 2016; A Mente é Maravilhosa, 2015)